Embalado com mestria

Mercados

Transportar arte é, em si mesmo, uma arte. No Hermitage em São Petersburgo, na Rússia, vimos artistas de empacotamento a trabalhar num dos museus mais famosos do mundo.

Os trabalhadores realizam o trabalho com um esforço habilmente aplicado. Centímetro a centímetro, envolvem uma película especial com almofadas de ar em torno de uma escultura de um cavalo de madeira com mais de dois metros de altura. Cada camada é vedada hermeticamente com fita de embalagem da tesa. Apenas mais uma tira de fita a terminar, com o local da exposição impresso em letras grandes "AMESTERDÃO" e a carga preciosa está pronta para ser transportada.

Cavalo_Hermitage
Acondicionamento responsável para todas as obras de arte
Eremitage_Pferd2
Embalar obras de arte do Hermitage em São Petersburgo, Rússia, pelos especialistas em empacotamento da Khepri.

Especializado em manusear tesouros artísticos

Os quatro artistas do empacotamento são bem versados no transporte de obras-primas. Eles trabalham para a empresa russa Khepri Ltd., especialista no transporte de tesouros artísticos. Com um total de 50 funcionários, só em 2018 transportaram mais de 1000 obras de arte para 90 locais em todo o mundo. No museu Hermitage em São Petersburgo, a equipa Khepri garante que os artigos emprestados (no valor de milhões de dólares) são embalados de forma segura para transporte.

Empacotamento de obras de arte do Hermitage em São Petersburgo, na Rússia, pela empresa Khepri.
Está disponível uma variedade de fitas adesivas e de máscara para cada uma tarefa única.

“Não economizamos em materiais de empacotamento nem usamos produtos de baixa qualidade, porque isso poderia colocar em risco uma obra de arte insubstituível.”

Igor Nassosnikov

Funcionário da Khepri

Empacotamento de obras de arte do Hermitage em São Petersburgo, na Rússia, pela empresa Khepri.
Obras de arte emolduradas embaladas com madeira e película para o respetivo transporte da Rússia para os Países Baixos.

> 3 milhões de tesouros artísticos

podem ser encontrados no Museu Hermitage.

Fonte: Site oficial do Museu Hermitage do Estado

"O transporte impõe enormes exigências em relação às obras de arte. Mesmo uma ligeira agitação é suficiente para causar danos. Portanto, existem regras rigorosas", diz o funcionário da Khepri, Dmitry Sadovsky. Se a embalagem de uma obra de arte for inadequada, a seguradora não pagará em caso de danos. Muitos contentores de transporte são feitos especialmente para um determinado item da exposição. Por exemplo, caixas de madeira de parede dupla protegem as pinturas dos solavancos e das flutuações de temperatura.

Não economize nas coisas erradas

as fitas adesivas tesa® permitem fixar de forma ideal as obras de arte nos seus contentores. “Até as molduras antigas estão protegidas com fita adesiva tesa®. Desta forma, podem ser evitados danos dispendiosos”, explica Dmitry Sadovsky. Os profissionais de empacotamento tiveram experiências negativas com as fitas de outros fabricantes. "Ao remover as tiras de fita de cobertura, muitas vezes, as peças de madeira também foram arrancadas, e tiveram de ser cuidadosamente reconstruídas. Desde que começámos a utilizar a tesa® que isso já não nos acontece!"

Empacotamento de obras de arte do Hermitage em São Petersburgo, na Rússia, pela empresa Khepri.
Embalagem de obras de arte do Hermitage em São Petersburgo na Rússia pela empresa Khepri.

desenrolador tesa® preso à parede para utilização a longo prazo.

Empacotamento de obras de arte do Hermitage em São Petersburgo, na Rússia, pela empresa Khepri.

Sabia que?

O Museu Hermitage é composto por cinco edifícios que cobrem um total de 233.354 metros quadrados. Isto corresponde a uma área de quase 33 campos de futebol! Durante cerca de 250 anos que os gatos dos museus têm andado em pezinhos de lã pelas instalações, a guardar os mais de três milhões de obras de arte. A Imperatriz Isabel Petrovna, filha de Pedro, o Grande, já tinha trazido gatos para o palácio para combater a praga de ratos e ratazanas. À medida que o Palácio de Inverno foi convertido num museu pela Imperatriz Catarina II ,em 1764, os guardas felinos do museu foram autorizados a ficar.