Smart testado

Mercados

O seu smartphone já caiu ou "deu um mergulho?" Se sobreviveu intacto, as fitas adesivas protetoras no interior desempenharam um papel.

Text Jan Schütte

Cerca de 2,7 mil milhões de pessoas em todo o mundo têm smartphones. Não é raro os utilizadores tocarem nos seus ecrãs várias mil vezes por dia para enviar mensagens de correio eletrónico, conversar, navegar ou telefonar. Em cada contacto, existe um maior risco de o companheiro digital cair ao chão, molhar-se ou ficar preso em algo. Por isso, os fabricantes tentam fornecer aos seus dispositivos uma proteção ideal contra danos e exigem materiais com a mesma resistência aos seus fornecedores. Isto também é verdade para a tesa, a empresa especializada em soluções adesivas.

Nokia, a Pioneira

Os smartphones estão a tornar-se cada vez mais finos e mais leves –
as fitas para fixar os componentes no devido lugar tornam isso possível, uma vez que poupam espaço e peso em comparação com os parafusos e rebites.

shutterstock_468640499

Talvez não esteja ciente de que são usadas até 200 fitas adesivas diferentes no interior de um smartphone para prender os componentes de alta tecnologia. Destas, a tesa fornece cerca de 70 fitas para várias aplicações. "As fitas adesivas têm muitas vantagens em comparação com outros meios de fixação: economizam peso e espaço, são fáceis de processar durante o fabrico e permitem a fácil abertura dos dispositivos durante as reparações", explica Tim Wiersbinski, Gestor de Laboratório de Testes Físicos da divisão empresarial de eletrónicos da tesa. O Grupo tem atuado nessa tecnologia desde 2000 – inicialmente através da Nokia, que estabeleceu padrões para o teste de fixação adesiva em telefones.

Dispositivos maiores, menos superfície de fixação adesiva

Hoje, na era dos smartphones, a tesa fornece produtos que cumprem os requisitos de várias categorias – por exemplo, aqueles que ligam de forma transparente camadas individuais no monitor, são eletricamente condutores ou reduzem a radiação, ou que juntam baterias. A espessura das fitas adesivas varia entre 3 e 500 micrómetros (µm), o que se traduz em 0,003 a 0,5 milímetros. O desafio: "Os ciclos de produto do smartphone estão a evoluir para mais curtos, enquanto os dispositivos continuam a aumentar e a ser mais potentes. Ao mesmo tempo, a superfície de fixação está a encolher", diz Tim Wiersbinski. Por exemplo, a largura da ligação adesiva dos ecrãs nos invólucros foi reduzida de 2 para 0,3 milímetros ao longo dos anos.

tesa_smartphones

200 fitas adesivas

em média, num smartphone, das quais a tesa fornece cerca de 70 fitas para várias aplicações.

"Câmara da Tortura" com 100 procedimentos de teste

A forte dinâmica do mercado resulta em cerca de 30 novos desenvolvimentos por ano, em estreita cooperação com os fabricantes. A base para esta carteira tem mais de 100 métodos de ensaio em várias categorias. Os testes mais relevantes para a utilização diária do smartphone avaliam a resistência ao choque, o impacto do contacto com água e produtos químicos e a capacidade de remoção de fitas adesivas (por exemplo, para mudanças de bateria). Antes de serem lançados novos dispositivos no mercado, a tesa envia os seus "modelos de teste" para a "câmara de tortura". A maior está localizada na fábrica chinesa de Suzhou, onde 17 funcionários realizam mais de 1000 testes anuais no Centro de Soluções de Aplicações. O facto de 70 especialistas em Investigação e Desenvolvimento em todo o Grupo trabalharem exclusivamente na área de fixação adesiva para smartphones, ressalta não só o seu potencial de mercado, mas também as ambiciosas exigências da empresa: "Não só nos vemos como fabricantes de fitas adesivas, como também ajudamos os nossos clientes a desenvolverem as soluções mais adequadas em todas as fases", diz Tim Wiersbinski.

Electronics_HAF_HEAT_Press-002_300dpi
As películas ativadas termicamente são aplicadas sob pressão e calor.

Após a cura, conseguem um poder de fixação extremamente elevado mesmo nas superfícies de adesão mais pequenas e têm uma excelente resistência a temperaturas e produtos químicos

“Os ciclos de produto do smartphone estão a evoluir para mais curtos, enquanto os dispositivos continuam a aumentar e a ser mais potentes. Ao mesmo tempo, a superfície de fixação está a encolher.”

Tim Wiersbinski

Gestor do Laboratório de testes físicos, da Unidade empresarial de eletrónicos

Procedimentos de teste

a tesa é exigente nas fitas adesivas, para garantir que elas estão de acordo com os padrões para a produção em massa de smartphones. Dependendo dos requisitos, os métodos de ensaio são selecionados a partir de um conjunto de mais de 100. Os procedimentos mais importantes em resumo:

vertente_smartphone
Água: Não tem necessariamente de cair na sanita; existem muitas outras fontes de água à sua volta. As fitas adesivas modernas vedam o invólucro e as ligações. A sua resistência à água é frequentemente testada após um teste de "secador de roupa" (ver abaixo).
química_tesa_smartphone
Produtos químicos: As fitas adesivas desta categoria devem proteger o smartphone contra substâncias do dia-a-dia, tais como transpiração, loção bronzeadora, perfume ou sabão. Para este efeito, a tesa mergulha parcialmente os aparelhos de ensaio nos respetivos fluidos.
tesa_teste_choque
Choque: a tesa definiu três procedimentos importantes para este efeito. O teste do tambor (secador de roupa) roda o dispositivo numa câmara até 600 vezes e deixa-o cair a uma altura de um metro. O teste do tambor controlado simula quedas de alturas controladas (0,8 a 1,2 metros) no lado longo do dispositivo, nos cantos, na parte da frente e na traseira. Em seguida, uma vez mais, a tesa usa o teste Dupont para testar a resistência ao impacto de fitas biadesivas, tais como as que estão sob o visor. Aqui, deixa-se cair um peso de 150 gramas de diferentes alturas (5–150 cm) num ponto de impacto na extremidade do ecrã.
tesa_bateria
Capacidade de remoção: Apesar do que se pode pensar, as fissuras no ecrã não lideram as estatísticas de danos. Uma ocorrência mais comum é a substituição da bateria durante a produção, reparação ou eliminação. Por conseguinte, a tesa desenvolveu fitas adesivas de acordo com o princípio do estabilizador. Vantagem: Boa aderência e remoção fácil sem vapores nocivos.