Sustentabilidade

Devido ao coronavírus, muitas crianças já não podem ir à creche ou à escola. A educação fica assim pelo caminho – em todo o mundo. Isso não é solução! Por isso, a "Save the Children" e a tesa acordaram uma parceria, graças à qual são financiados os projetos educativos em seis países.

De acordo com a UNESCO, cerca de 1,5 mil milhões de rapazes e raparigas estão atualmente gravemente afetados pelo encerramento de escolas, centros de cuidados de dia e instalações de lazer. As crianças socialmente desfavorecidas são particularmente atingidas pelo aumento da desigualdade no ensino. Sob o lema "A educação une. Juntos em toda a parte", a "Save the Children" – a maior organização mundial independente dos direitos das crianças – e o grupo internacional de fitas adesivas tesa decidiram formar uma parceria para dar às crianças a oportunidade de um futuro melhor. Com um donativo de 1 milhão de euros, a tesa apoia projetos selecionados em seis países de três continentes: Vietname, China, Índia, México, Itália e Alemanha.

map_en-1

Quebrar o ciclo de pobreza

"Temos o prazer de ser capazes de dar uma contribuição tão importante como empresa, de abrir um guarda-chuva de proteção sobre a geração emergente juntamente com a «Save the Children»", diz o Dr. Norman Goldberg, CEO da tesa SE. "A educação pode ajudar significativamente a superar a crise e a quebrar o ciclo de pobreza – mesmo para além da pandemia do coronavírus." Todos os projetos financiados estão localizados em regiões onde o Grupo tesa já está presente com fábricas ou filiais ou estará ativo no futuro. Recentemente, na Primavera de 2020, a tesa decidiu construir uma nova instalação de produção no Vietname, por cerca de 55 milhões de euros.

Dr. Norman Goldberg, CEO, tesa SE
Dr. Norman Goldberg, CEO, tesa SE

tesa SE

A educação pode ajudar significativamente a superar a crise e a quebrar o ciclo de pobreza – mesmo para além da pandemia do coronavírus.

Dr. Norman Goldberg

CEO da tesa SE

A entrevista com o repórter infantil:

Para dar o pontapé de saída na parceria, duas crianças repórteres da tesa pediram uma entrevista aos dois membros do Conselho, Susanna Krüger e Dr. Norman Goldberg.

5

milhões de euros

são distribuídos através do Programa de Doação da tesa. A tesa apoia projetos selecionados da "Save the Children" e o fundo global de crise Covid-19 gerido pela organização "Médicos sem Fronteiras" com 1 milhão de euros cada. Além disso, a tesa está a doar 200.000 euros a cada uma das organizações locais em sete regiões – da Ásia à América do Norte e América Latina, bem como à Europa – aquelas que as filiais locais selecionaram.

Não existem planos de ação na secretária

"Desde o início, as nossas conversações tornaram claro que a "Save the Children" e a tesa estão a perseguir os mesmos objetivos e querem apoiar as crianças desfavorecidas no seu direito à educação. Com a nossa parceria, combinamos trabalho de projeto local com alcance global", diz Susanna Krüger, Presidente do Conselho de Administração da "Save the Children Alemanha" "Geralmente, abstemo-nos de desenvolver planos de ação na secretária, preferindo trabalhar sempre em conjunto com as pessoas no terreno. Utilizamos modelos testados e comprovados que podem ser adaptados e dimensionados para além das fronteiras nacionais", acrescenta.

Foto_Save_The_Children_Vietname1-1
Parte da doação da tesa à Save the Children vai para o Vietname. Ali, cerca de 20.000 crianças nas zonas de pobreza rural e urbana vão receber vários materiais educativos.

© Save the Children

Aulas em casa, formações de professores e equipamento

 

 

E são assim os contornos da parceria educativa em termos concretos: no Vietname, cerca de 20.000 crianças nas zonas rurais e nas zonas urbanas pobres vão receber vários materiais didáticos, começando com papel e instrumentos de escrita. Além disso, estão previstos cursos para promover a leitura e a escrita, por exemplo, com a ajuda de mentores. 

 

Na China, o apoio financeiro da tesa está a ajudar mais de 100.000 crianças entre os 10 e os 12 anos de idade e as suas famílias a fortalecer o seu desenvolvimento socioemocional e a sua resiliência. Graças aos métodos interativos, os professores recebem as ferramentas necessárias para desenvolver essas competências importantes. Atualmente, a digitalização de tais ofertas tem prioridade.

Na Índia, onde 320 milhões de crianças em idade escolar são atualmente afetadas pelos encerramentos escolares, a "Save the Children" pretende garantir que as crianças recebem apoio na escolaridade inicial, por exemplo, com bibliotecas móveis. Há também uma aposta em aconselhar as autoridades sobre como criar conceitos para que as crianças regressem à escola. Porque: o trabalho infantil, o tráfico de crianças e o abuso infantil estão atualmente a aumentar significativamente.

Na América Latina, a situação deteriorou-se dramaticamente nas últimas semanas; a região é considerada o novo epicentro da pandemia. Só no México, estão em jogo a saúde, o bem-estar e a educação de mais de 40 milhões de crianças. As medidas de ajuda globais destinam-se particularmente a grupos indígenas, famílias imigrantes e pessoas nas zonas rurais. A "Save the Children" trabalha em estreita colaboração com o Ministério da Educação para formar professores, desenvolver conteúdos de ensino e fornecer equipamentos técnicos necessários com urgência.

Susanna Krüger, Presidente do Conselho de Administração da Save the Children Alemanha
Susanna Krüger, Presidente do Conselho de Administração da Save the Children Alemanha

© Save the Children

Geralmente, abstemo-nos de desenvolver planos de ação na secretária, preferindo trabalhar sempre em conjunto com as pessoas no terreno.

Susanna Krüger

Presidente do Conselho de Administração da "Save the Children Alemanha"

"Pobreza educativa" também na Europa

No entanto, é necessária uma série de medidas de ajuda também à nossa porta. Cerca de 100.000 crianças em 30 cidades italianas irão beneficiar do nosso apoio com o lema "Reescrever o futuro". O fornecimento de acesso à Internet e de tablets destina-se a garantir que os jovens possam continuar a aprender online enquanto as escolas estão fechadas. 

Na Alemanha, a "Save the Children" está a comandar o "MakerSpace" – uma oficina de aprendizagem digital em que as crianças das chamadas escolas em foco podem, de forma aberta e criativa, fortalecer as suas competências. O projeto é apoiado cientificamente pela TU Berlin, a fim de obter mais conhecimentos sobre os formatos educativos digitais.

Salvem as crianças

Em 1919, pouco depois do fim da Primeira Guerra Mundial, Eglantyne Jebb chegou às ruas da Grã-Bretanha para recolher donativos para crianças com fome – especialmente na Alemanha. Foi assim que nasceu a maior organização independente dos direitos das crianças do mundo. Um século depois, a "Save the Children" está a funcionar em 113 países para dar aos rapazes e raparigas mais desfavorecidos, marginalizados ou com difícil acesso um começo de vida saudável, acesso à educação básica e para os proteger das guerras e dos conflitos. "Save the Children" esforça-se por melhorar a vida das crianças a longo prazo – durante crises e catástrofes, mas também para além disso.